segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Ontem e hoje

Tenho andado tão rabugenta ultimamente...não vou dizer desde quando pq senão vou assustar quem passar por aqui, mas caraca, o que que tá acontecendo comigo? Tudo bem que final de semana eu ponho o pé fora de casa e o humor muda da água pro vinho. Tô sempre rindo, falando besteira(se não falasse não seria eu eu, claro) e having the time of my life. Mas aí o domingo a noite chega, e cá fico eu com meus pensamentos de novo, minhas divagações sobre a vida e sobre o futuro que não chegam a lugar nenhum, e outras tantas besteiras.

Minha mãe constantemente me pergunta "mas não era isso que vc queria? Viver nos EUA por um ano?". Sim, mamita, era isso mesmo que eu queria. Queria muito ser au pair mesmo, brincar e rolar com as crianças aqui, até pq eu tenho muito delas dentro de mim. No início era uma diversão só. Quando cheguei aqui, eu brincava de tudo, as idéias partiam sempre de mim, de navio pirata à princesa presa no castelo. Me fantasiava, criava fantasias, me pintava, pintava eles, fazia mil art-projects e etc. Life was good. Queria até mudar de carreira e ser professora infantil.

Mas depois de um tempo vc cansa de ser criança, pq afinal, vc não é mais uma e seus interesses são outros. É bom por um tempo, mas passa. Depois de um tempo vc começa a querer mais, ou melhor, a querer a vida que vc tinha de volta. Claro que não exatamente a mesma, mas a sua vida própria. Seu apto, seu direito de ir e vir quando quiser, seu trabalho de gente grande, seu estudo. Conversar e brincar com crianças por 9 hs seguidas não é mais tão excitante. As gracinhas que eles fazem já não são tão engraçadas pra vc, e os planos de trabalhar com menores de 12 anos se torna absurdo. Ser mãe? Nah, melhor ter um cachorro.

Essa vida aqui é um intensivão motherhood total. Não é que eu tenha deixado de gostar de criança, mas acho que isso acontece com a maioria das meninas, a gente passa a ver como trabalho (o que é triste). Na rua eu atraio criança. Acho elas lindas, queria que meus olhos tirassem fotos dos sorrisos e das cenas que eu vejo, mas quando chega muito perto e quer brincar, já vem aquele pensamento de "opa! op! tô off!". Acho que tira o "encanto", sabe? Ser mãe é coisa séria! Seja Au Pair que vc poderá ver de perto, temporariamente, como que é realmente ter filhos. Não tem como brincar, curtir e depois guardar pra brincar quando tiver vontade de novo. É um ser, vivo, que precisa mais do que ninguém da sua atenção, do seu carinho, amor e dedicação.

Todo dia eu agora visualizo o que eu poderia estar fazendo enquanto tenho que estar ali de quatro fingindo ser um urso polar ou dando mamadeira pra boneca. Viver desse jeito não está me fazendo muito bem MESMO. Eu AMO a minha família aqui, com todos os defeitos que eles tem. Não estou aqui por acaso. Não mesmo. Eles me tratam muito, muito bem. São humanos, tem seus defeitos, assim como eu, mas os admiro em muitas coisas e gosto da vida com eles...quando não estou trabalhando, rs. Mas isso pq quando os pais estão aqui, não me sinto obrigada, sabe? Me sinto a vontade.

Por tudo isso que falei acima, tenho pensado também em mudar de blog. Criar um só sobre coisas simples da vida, um blog de apreciação diária pois quem sabe assim eu volto a apreciar até os dias da semana onde mesmo não fazendo o trabalho dos meus sonhos eu ainda sim eu posso ver beleza ou pelo menos colocar um pouquinho mais de amor em qualquer coisa que eu faça.

Não tenho grandes pretenções da vida. Na verdade, nunca tive. Mas acho que as pessoas sempre esperaram muito de mim. Quando criança eu era sim uma criança muito esperta, muito curiosa, a favorita das professoras, mas sempre a menor da turma. Faladeira, eu não tinha papa na língua e era assim que eu me virava, pois sendo a menor da turma eu supostamente estaria em desvantagem com relação aos meninos ou até as meninas. Nada. Eu queria, eu tinha. Ninguém "tirava farinha" comigo. Como eu falei, eu era esperta. E eu não me importava at all com a opinião alheia. Não era mal-educada não! Pelo contrário, e fazia as coisas com classe. Conseguia as coisas com classe. Eu era pequena, mas de alguma forma eu intimidava. Tava sempre por dentro de tudo, sabia de tudo, não era de nenhum grupinho, mas ao mesmo tempo estava em todos, sabe como é? Eu sabia tudo, respondia tudo, tinha uma memória de elefante. Me interessava por tudo, e achava que podia ser boa em qualquer coisa. Na verdade eu até que conseguia realmente fazer tudo muito bem, muitas vezes melhor do que as outras crianças. Não invejava ninguém, tinha uma segurança muito grande, uma confiança em mim fora de série, e fazia pq gostava, não pra ser melhor. E não era odiada! Pelo contrário. Eu não gostava de me gabar. Não me importava com essas coisas. Eu só queria me divertir, ser feliz. Brinquei muito, caí muuuuito, briguei muito com meu irmão, tive também uns problemas, mas superei porque afinal, a vida não é feita de flores e eu tenho pra mim que além de não ser feita de flores, é uma escola em tempo integral.

Nisso, veio o Ensino Médio. Acho que foi aí que as coisas começaram a desandar. Ninguém sai ileso da adolescência. Eu saí bem capenga. No início até que estava me saindo bem. Uma amiga e eu éramos as melhores alunas da sala, sempre com as melhores notas, e não diferente do primário e ginásio, lá estava eu no grupo dos "populares". Mas é nessa altura também que começam as competições mais sérias, e o coração se volta pra coisas diferentes, aí sabe como é. São tantas coisas em jogo quando vc tem seu coração exposto, que ter ele rejeitado pode mexer em várias áreas da sua vida. E acho que foi aí que a coisa desandou. Foi um conjunto de coisas, não só isso. Mas juntou tudo e fez um estrago enorme.

Lembro que as pessoas esperavam tanto de mim. A maioria dos alunos sem saber o que fazer, o que estudar ao fim do Ensino Médio, e olhavam pra mim e diziam "A Bela não precisa se preocupar. Com as notas que ela tem ela pode ser o que quiser". Mas não é assim que as coisas funcionam, vcs devem saber. O Ensino Médio terminou e eu não tinha idéia do que eu queria fazer. Eu gostava de um monte de coisas, e era boa em outras, e isso me levou 3 anos pra escolher estudar Turismo, que foi a área em que me encaixei por gostar de viajar, idiomas, culturas e pessoas. Hoje não me vejo na área. Aí olho pros meus amigos, pras pessoas que estudaram comigo e nossa, todo mundo fazendo alguma coisa, correndo atrás, sabe. E cá estou eu, a tão promissora Bela, com 25 anos já, graduada em Turismo mas sem saber se quer mesmo exercer a profissão, e cuidando de criança nos Estados Unidos por 2 anos. Sei lá, sabe. Não sei onde vou chegar desse jeito. Minha confiança em mim, no meu potencial hj é quase nenhuma. Me pergunto onde foi parar, por onde vazou. Onde foi que perdi a memória de elefante que eu tinha, e o interesse pela VIDA que explodia dentro de mim. Definitivamente não estou satisfeita com o que me tornei. Parece o oposto do que eu era. Comecei tão bem...

A única coisa que eu tenho certeza, hoje, que eu não quero, que me desculpem os patriotas, é morar no Brasil. Amo o país, minha cultura, amo a minha família, mas não pertenço, nunca pertenci. Quem me conhece, sabe.

Às vezes eu penso que não deveria postar sobre isso aqui e guardar pra mim, mas esse é o meu blog, cantinho que eu escolhi pra escrever sobre mim, sobre a minha vida. Me faz bem escrever, então eu acho que tenho o direito, né?

---

Ainda tem tempo de mudar, né? Espero. Mas por onde eu começo?

7 comentários:

Hane disse...

A única coisa que eu tenho certeza, hoje, que eu não quero, que me desculpem os patriotas, é morar no Brasil. Amo o país, minha cultura, amo a minha família, mas não pertenço, nunca pertenci. Quem me conhece, sabe.[2].

Tenha calma, Bells. Vc vai conseguir! Lembre-se q entender as demoras de Deus é sabedoria...

Te cuida e tenta ser feliz com oq tem hj. Nao fica pensando mto no amanha, sei q é dificil mas a gente pira quando fica assim...rs

:***********

Mari Z. disse...

Bela, todos estão correndo atrás, ok, mas e quem disse que vc não está? Eu entendo a sensação estranha de fim de domingo, entendo perfeitamente o sentimento (péssimo) de deslocamento... mas, como disse a Hane, fique feliz pelo que vc tem hoje, desencane um pouco do amanhã!
Beijos, se cuida e boa sorte!
Mari.

Dani disse...

Sei bem como é gostar de tudo na escola e depois não saber o que fazer. Nota realmente não leva ninguém a lugar nenhum dessa vida e não ter uma preferência exata deixa a gente de cabelo em pé. Pensei em fazer de Direito a Engenharia e acabei nas Relações Internacionais, não me arrependo e da minha história você bem sabe, mas tô aqui pra te dizer que o ser humano NUNCA acha que tem ou que fez o suficiente, e isso em todos os setores dessa vida. Você tem muito e fez muito, minha amiga, pode ter certeza disso. Viva um dia de cada vez como se não fosse ter amanhã, é clichê mas não foi à toa que essa frase se eternizou no tempo e é usada desde sabe Deus quando. A gente nunca sabe o que pode acontecer, de bom ou de ruim. Vai dar TUDO certo. ;)

Te amo, saudade! Aparece no MSN.

Dani

Mari M disse...

a Dani falou e disse!

oh well, as you know, we're on the same little boat.

:)

Jana disse...

Se conselho fosse bom não se dava, mas como eu jamais venderia qualquer coisa pra vc, vou falar:
Acho que vc tem que continuar segurando as pontas aí, aproveitar ao máximo e considerar isso uma fase, amiga. Já cansei de imaginar como será a minha vida pq axiste um grande espaço em branco entre o agora e o meu sonhado, realizado e endinheirado futuro. Eu sei que ALGUMA coisa vai acontecer e mudar tudo. Enquanto isso vou seguindo a maré. Acredito que com vc acontecerá o mesmo. ;)
Isso de tentar pensar mais no que te dá prazer é uma boa maré. Disso podem vir as descobertas, coisas q vc nem tinha imaginado fazer e talvez sejam o seu futuro.
Último conselho? Nunca pare de estudar. Não necessariamente em livros, mas na vida. Estude pessoas, estilos, lugares. Estudar que eu digo é analisar e não apenas olhar o que está a sua volta. Conheça bandas novas, conheça a história e os estilos musicais, conheça moda, culinária, qualquer coisa no seu campo de interesse, mas conheça pde forma mais pronfunda.

Amo muito. ;*

PS: Coloquei nossa fotita no orkut. Dps vê lá.

Carlinha disse...

Como assim Isabela? Como assim!? Seus amigos tão fazendo alguma coisa, correndo atras e vc naum, é isso? Pq se mudar pra outro pais, morar com gente que vc nunca viu na vida, completamente sozinha naum é correr atras, é naum fazer nada? Eu sei, eu sei ficar em casa o dia todo com criança da a impressão que a gente não esta fazendo nada mas a gente está sim. Tira você da picture e vê se a vida dos seus host naum desmoronam na mesma hora. É temporario amiga, muda o foco. Passa a olhar pra isso aqui só como o caminho que vc tem que percorrer pra chegar lá aonde vc quer estar.

Eu sei, vc naum sabe aonde é esse tal lugar. Faz o seguinte, para tudo. Me responde sem pensar. What are you passionate about? What do you do best? Não se preocupe com a resposta, com o quão absurda, inatingivel ou louca ela possa parecer pra vc e principalmente pro outros. Esquece os outros. A vida é sua, é a sua cabeça que vai deitar no travesseiro toda noite antes de dormir.

Você talvez não tenha a resposta imediatamente, mas foca nisso, e não começa nada novo antes de vc ter alguma visão nem que seja meio turva de onde vc quer ir. Não precisa ser definitivo, pode ser só uma proxima parada. Se não der certo não tem problema. Eu fiz isso num momento de derrota total da minha vidinha no Brasil, e depois que eu vi a luz tudo mudou. Tenho momentos ruins, depressivos, momentos de duvida mas tudo acaba sempre voltando pro mesmo lugar. É a certeza da minha vida e desde que eu liguei o foda-se pra o que as pessoas pensam disso e assumi isso como a minha verdade as coisas começaram a acontecer pra mim e eu tenho sido muito mais feliz. Apesar dos pesares :)

Hanna disse...

amoraaa...

posso dizer q sei em parte o q vc esta sentido...eu jah me encontrei, se vai ser o caminho certou eh outra historia...

mas eu sempre tenho uma coisa comigo...para tudo existe uma razao, se vc estah com todas essas duvidas eh pq eh pra ser, pq uma hora vai aparecer aquela coisa q vai te fazer dar um click and then...u r going to find urself in some professional career...

dont worry..vai vir...soh tem q ser paciente(sei q eh dificil..mas...)

saudades
bjao